Nov 17, 2010

PEÇA TEATRAL PINKINTIN, O PEQUENO HERÓI DO ÚLTIMO FOLHETO

PEÇA TEATRAL PINKINTIN, O PEQUENO HERÓI

A família comprometida com o evangelho, todos respiram evangelismo, salvação de almas... MAS, num dia frio, chuvoso... As ruas vão estar vazias, hoje não adianta ir... O filho pergunta ao PAI/PASTOR - “Mas, pai, as pessoas não vão para o inferno até mesmo em dias de chuva?”
Nem assim, o coração do pastor foi sensibilizado. Lá foi o PINKINTIN entregar seus folhetos... E isso teve resultados, veja na história deste pequeno herói.
(Adaptação de O Último Folheto)
PASTOR ARISTÓTELES – Pai do Jovem Lucas e compromissado com a evangelização.
CAMILA: Esposa do pastor e mãe do menino Lucas.
PINKINTIN: Filho do pastor Aristóteles, preocupado com a salvação de vidas.
MARLENE: Senhora grata ao menino pela salvação de sua vida.
CENA 1 – (Som – Luz no pastor e sua esposa)
PASTOR ARISTÓTELES – Camila, hoje foi uma benção a escola dominical pela manhã, mas agora a tarde está frio e ameaça chover.
CAMILA: O que você está querendo dizer com isso?
ARISTÓTELES – O evangelismo com o Pinkintin.
CAMILA: Se ficar impossível, não vá.
ARISTÓTELES: As vidas estão sendo ceifadas e não podemos esperar.
CAMILA: Vamos pedir a Deus pra Ele intervir e não chover, afinal a obra é Dele.
ARISTÓTELES: Não poderei sair com o Kin, talvez eu vá só.
CAMILA: Começou a chover e com essa chuva ele não pode ir.
ARISTÓTELES: Além do frio que faz, acho que vou cancelar o evangelismo. (Entra Pinkintin agasalhado)

Nov 16, 2010

O CRISTÃO E A MORTE

image

Muitas pessoas dizem que é impossível escapar da morte!

Muitos teme a morte, pois a bíblia diz : Ora, o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte. 1° CO 15:26, mais o cristão não deve temer a morte,  o salmista ele diz: "Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum …" (Sl. 23:5).

Mesmo que esteja andando no "vale da sombra da morte," ele não teme. Ele sabe que a morte não é o fim de tudo para ele. Ele não morre como a besta do campo. Não morre como alguém sem esperança. Pela graça ele crê que Deus lhe deu a vida eterna, e que a morte é o meio pelo qual ele passa para uma experiência mais gloriosa dessa vida. "Tragada foi a morte na vitória" (1Co. 15:54).

Jesus Cristo  nos promete um novo corpo após a morte Física, ao encontro com Ele Nos ares , em João 14:6, Jesus falou:

1 Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.2 Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.

3 E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.

Se você está preocupado com a morte física, lembre o que o apóstolo Paulo falou: em Filipenses 1:21,22,23

21 Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho.

22 Mas, se o viver na carne me der fruto da minha obra, não sei então o que deva escolher.

23 Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor.

Em 1°  Tessalonicenses 4:16,17, lemos que:

16 Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.

17 Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.

O Cristão deve anelar pela vinda de Jesus, a sua esperança tem que ser a volta de Jesus, em lucas 12:4,5 lemos:

4 E digo-vos, amigos meus: Não temais os que matam o corpo e, depois, não têm mais que fazer.

5 Mas eu vos mostrarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, vos digo, a esse temei.

 

Jesus é a nossa esperança de uma vida Melhor, creia nisto!

 

Autor: Ev: Rodrigo Machado

O Porco e o Cavalo

 

porco-cavalo-252x300Um fazendeiro colecionava cavalos e só faltava uma determinada raça.
Um dia, ele descobriu que o seu vizinho tinha este determinado cavalo.
Assim, ele atazanou seu vizinho até conseguir comprá-lo.
Um mês depois, o cavalo adoeceu, prontamente, ele chamou o veterinário:
- Bem, seu cavalo está com uma virose. É preciso tomar este medicamento durante três dias. No terceiro dia, eu retornarei e, caso ele não esteja melhor, será necessário sacrificá-lo.
O porco, que estava nas proximidades, escutara toda a conversa.
No dia seguinte, logo após o medicamento haver sido ministrado no cavalo, o porco se aproximou e disse:
- Força, amigo! Levanta daí, senão você será sacrificado!
No segundo dia, deram novamente o medicamento e saíram.
O porco se aproximou do cavalo e disse:
- Vamos lá... Amigão! Levanta, senão você vai morrer! Vamos lá! Eu te ajudo a levantar... upa! Um, dois, três.
Nada.
No terceiro dia, deram o medicamento e o veterinário disse:
- Infelizmente, se ele não se recuperar até amanhã, vamos ter que sacrificá-lo, pois a virose pode contaminar os outros cavalos.
Quando foram embora, o porco se aproximou do cavalo e disse:


- Cara, é agora ou nunca. Levanta logo! Coragem! Upa! Upa! Isso, devagar! Ótimo, vamos! Um, dois, três... Legal, legal, agora mais depressa vai... Fantástico! Corre, corre mais! Upa! Upa! Upa! Você venceu campeão!
Então, de repente, o dono chegou, viu o cavalo correndo no campo e gritou:
- Milagre! O cavalo melhorou. Isso merece uma festa! Vamos matar o porco!
Isso acontece com frequência no ambiente de trabalho.
Ninguém percebe quem é o funcionário que tem o mérito pelo sucesso.
Saber viver e ser reconhecido é uma arte.
"Se algum dia alguém lhe disser que seu trabalho não é o de um profissional, lembre-se: Amadores construíram a Arca de Noé e profissionais, o Titanic."
Procure ser uma pessoa de valor, em vez de ser uma pessoa de sucesso.
"Mas, sejam fortes e não desanimem, pois o trabalho de vocês será recompensado." II Crônicas 15:

Cinco fases para construção de um vaso

Cinco fases para construção de um vaso

Primeira fase
O oleiro escolhe o barro! Dentre duzentos tipos de barros conhecidos, somente oito servem para fazer o vaso.
Sabe o que isso significa?
Se você foi escolhido por Deus, significa que você é um barro bom.
Segunda fase
Fase do curtimento:
É aquela época em que parece que Deus fala com todo mundo, menos com você.
É uma das fases mais importantes, porque o vaso tem que ficar no curtimento.
Quanto mais tempo curtindo, maior liga terá.
Um vaso grande passa por um longo curtimento.
Esta fase depende do tamanho do vaso que Deus quer fazer de você!
Terceira fase
Fase do pisamento:
É quando o barro é retirado do curtimento, talvez depois de muito tempo, e colocado num local para ser pisado, para que todo o ar seja retirado.
Deus permite que você seja humilhado, pisado para poder tirar todo o orgulho, vaidade...
Sabe como é?
Parece que todos falam mal de você, ninguém lhe entende, julgam suas atitudes, e etc.
Quarta fase
Agora o vaso precisa ser misturado com a palha fina, pedra triturada e o resto da cerâmica.
Um vaso sem esses implementos é um vaso fraco e quebra fácil.
Deus não quer vaso fraco.
Quer vaso forte.
Sem o Espírito Santo, humildade, disposição, fé e confiança, o vaso fica fraco.
Ele quer vaso para uso diário, não vaso de porcelana que é usado só de vez em quando.
Quinta fase
Chegou a hora do barro virar vaso.
Agora depois de todo esse processo, o oleiro leva o barro para ser moldado e virar vaso.
Depois de Deus ter nos escolhido, nos ter deixado criando liga, ter tirado o nosso orgulho, depois de nos ter fortalecido, Ele finalmente nos começa a moldar.
Então quando estivermos definitivamente prontos, Ele nos enche com seu Espírito e nos usa de acordo com a Sua vontade.
Coloquemo-nos nas mãos do Senhor, e sejamos vasos de bençãos!
Oleiro estou aqui
Hoje vim falar de mim
O meu vaso se quebrou Angustiado eu estou
Meus pedaços hoje quero te entregar
Oleiro, será que podes me moldar?
De um vaso velho para um vaso novo
Quero sentir o teu renovo e a tua unção me tocar
Faz de mim Senhor um vaso de valor
Eu quero ser um verdadeiro adorador
Restaura em mim um quebrantado coração
Quero sentir o gozo da tua unção
Levantar as minhas mãos
Te adorar, te exaltar Senhor
E para sempre em tua presença eu quero estar.
Fonte: Pr Vald

Reflexão - Lançou a corda para o amigo

 

O pastor de uma determinada igreja subiu no púlpito e, antes de pregar sua mensagem no culto da noite, fez uma apresentação ligeira de um outro ministro que os visitava.
Contou à congregação que se tratava de um de seus amigos de infância mais queridos. E desejava que ele dirigisse à igreja uma "palavrinha", algo que estivesse em seu coração.
Foi assim que um homem, já idoso, levantou-se e começou a falar. Iniciou contando que, certa vez, um pai, seu filho, e um amigo do filho decidiram fazer um passeio de barco na costa do Oceano Pacífico. De repente, uma tempestade fortíssima bloqueou-lhes a possibilidade de voltarem à terra firme.
As ondas eram tão altas que, mesmo o pai um marinheiro experiente, não conseguia manter o barco "em pé", de modo que este emborcou, e os três foram lançados ao mar.
Nesse ponto da história, o senhor fez uma pausa, olhando para dois adolescentes, que começavam a mostrar algum interesse pelo qe ele dizia (desde o ínicio do culto, eles mostravam-se totalmente desinteressados). Então ele continuou o caso, dizendo que o pai conseguiu apanhar uma corda, enquanto permanecia agarrado ao barco. E ali, naquela hora, teve que tomar a decisão mais difícil da sua vida: a qual dos dois rapazes deveria jogar a outra ponta da corda? Tinha poucos segundos para decidir, mas, sabendo que o seu filho era um seguidor do Senhor Jesus, e o amigo dele, não, em grande agonia gritou: - Filho, eu te amo!!!, e jogou a corda na direção do amigo do filho. Enquanto salvava o rapaz, seu filho foi tragado pelas águas bravias do Pacífico, para não mais ser encontrado.
A essa altura, os dois adolescentes estavam prestando muita atenção naquilo que aquele senhor dizia. O pai, disse ele, sabia que o seu filho entraria na eternidade com Jesus. Ele não podia nem pensar em deixar o amigo de seu filho perecer sem conhecer o Salvador! E foi por isso que se dispôs a sacrificar seu próprio filho, para salvar o amigo dele.
E lembrou a todos quão maravilhoso é o amor de Deus! Ele fez a mesma coisa por nós! Nosso Pai Celestial sacrificou o Seu Único Filho, a fim de que nós pudéssemos ser salvos.
Por isso, disse o velho senhor, eu quero incentivá-los a receber a Sua oferta de salvação. Ele está jogando a corda da salvação até vocês neste culto.
Tendo dito isso, o velhinho sentou-se. Um grande silêncio tomou conta na igreja. Após o culto, os dois adolescentes foram falar com ele. Sem ser indelicado, um deles disse:
- Foi boa aquela história que o senhor contou; todavia, não acho que o pai tenha sido realista. Sacrificou a vida do seu filho, baseado na mera esperança de que seu amigo viesse a tornar-se um cristão!
- Mas, é aí mesmo que está a chave da questão - respondeu o velhinho, enquanto olhava pra sua Bíblia já bastante surrada e gasta... Levantando os olhos, e com um grande sorriso na face, ele disse: - De fato, não parece muito lógico, não é verdade? Mas, essa história me faz entender um pouquinho o que deve ter significado para o nosso Pai Celestial o fato de dar o Seu Único Filho por amor a mim... Sabe, nessa história que contei, o pai era eu, e o pastor desta igreja, o amigo do meu filho.

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (João 3.16).

Reflexão - Sem lenha, o fogo se apaga

 

Seis homens ficaram presos numa caverna gelada por causa de uma avalanche de neve. O socorro só viria ao amanhecer.
Cada um deles trazia um pouco de lenha, mas, quando a equipe de resgate chegou a fogueira estava apagada e eles, mortos, congelados, cada qual abraçado ao seu feixe de lenha.
Os soldados não entenderam o que se passou naquela caverna, mas, se eles pudessem voltar no tempo e ler o pensamento daquelas pessoas, talvez ficassem mais uma vez surpresos com a raça humana:
O preconceituoso pensava: Jamais darei minha lenha para aquecer essa gente esquisita!
O rico avarento pensava: Vou ser o último a queimar minha lenha. Quem sabe, até posso vendê-la para esses otários. Vai valer uma boa grana. É a lei da oferta e procura.
O forte pensava: Não vou dar a minha lenha para aquecer esses fracotes. Eles que façam ginástica até o amanhecer, se quiserem se manter aquecidos.
O fraco pensava: É bem provável que eu precise desta lenha para me defender.
O sabe-tudo pensava: Esta nevasca vai durar vários dias. Vou guardar minha lenha por enquanto.

O alienado: ... (não pensava nada, especificamente).
Por fim, um dos soldados desabafou: - Acho que não foi o frio de fora que os matou; acho que foi o frio de dentro. O frio do coração. O frio da alma.
"Não deixe que o frio deste mundo mate você. Abra o seu coração e seja o primeiro a ceder a seu feixe de lenha, para manter a fogueira acesa".

Sem lenha, o fogo se apaga.
Provérbios 26.20

Revelações científicas do livro de Jó

 

Colaboração: Caramuru Afonso Francisco
Um dos mais antigos textos do Velho Testamento já antecipava, em forma de poesia, descobertas que a ciência só veio a fazer no século 20 - entre elas o processo de formação dos planetas do sistema solar
ROBERTO C. G. CASTRO
Jó não é um livro sobre ciência. Um dos mais antigos textos do Velho Testamento - cujo autor pode ter sido contemporâneo do patriarca Abraão, que viveu há quase 4 mil anos -, ele relata a história de um homem rico e piedoso que, fustigado pelo diabo, perdeu tudo o que possuía. Apesar das enormes dificuldades e da censura dos amigos - que viam sua miséria como fruto de uma conduta má -, Jó manteve uma inabalável confiança no Criador, que depois lhe restituiu os bens e a alegria. O livro, portanto, procura fortalecer a fé

Reflexão - O Último Folheto

 

Todos os domingos à tarde, depois do culto da manhã na igreja, o
pastor e seu filho de 11 anos saíam pela cidade e entregavam folhetos evangelísticos.
Numa tarde de domingo, quando chegou à hora do pastor e seu filho saírem pelas ruas com os folhetos, fazia muito frio lá fora e também chovia muito. O menino se agasalhou e disse:
-'Ok, papai, estou pronto. '