RADIO TAJENOJE

Mar 4, 2011

RESOLVENDO CONFLITOS 2 Crônicas 20.1-30

RESOLVENDO CONFLITOS
2 Crônicas 20.1-30

 

Introdução
Olhe aí o conflito armado (cena no data-show)!!
Entre os bichos isso é bastante comum, mais comum ainda é entre os bicho-homem.
Uma jornalista de São Paulo, com formação em relações humanas, declarou isto: “Onde houver pessoas, haverá conflitos, porque, como cada pessoa é um "mundo", é inevitável o surgimento de conflitos.
O rei Josafá teve que tomar decisões corretas para sair vitorioso do meio de um conflito que ele teve...
Um conflito que era impossível de resolver... Josafá conseguiu resolver com êxito.
No começo, ele até se sentiu impotente, sem condições, e via a sua destruição e a destruição do seu povo como coisa certa.
Mas, Josafá resolveu enfrentar o conflito com recursos de Deus.
E isto é o que eu quero mostrar hoje por meio destes versículos: a maneira correta pela qual Josafá resolveu o conflito.
...eis os passos para resolver conflitos, que aprendemos com Josafá; número 1:
1. VOCÊ DEVE RECORRER AO JEJUM, v.3
No v.3 lemos que Josafá recorreu ao jejum, está escrito assim: “Josafá ficou com medo e orou a Deus, o Senhor, pedindo socorro. Depois deu ordem para que todo o povo de Judá jejuasse”.
O jejum é uma arma poderosa para resolver conflitos... e Josafá deu ordem para que o seu povo jejuasse.
Mas o que é o jejum?
Qualquer dicionário explica que jejum é a abstinência de alimento, é ficar sem comer por um período...
Por exemplo: Tem exames médicos, que para serem feitos, recebemos essa orientação: “Compareça em jejum”, isto é, venha sem ter ingerido nenhum alimento...
Falando em médico, existe algumas dietas de saúde que implicam em jejum, porque requerem a abstinência de certos alimentos, requerem que o paciente não coma determinadas coisas...
E você lembra de Anthony Garotinho, em maio desse ano, que fez jejum de 12 dias? ...bem, aquilo esteve mais para uma greve de fome do que exatamente para um jejum.
É que o propósito da greve de fome é adquirir poder político ou chamar a atenção para uma boa causa...
E o propósito da dieta que requer que não se coma isto ou aquilo, é beneficiar a saúde.
Então, embora possamos chamar a isso tudo de jejum, o jejum bíblico, o jejum que a Bíblia ensina, não é apenas você ficar sem comer...
Porque quando a gente fala assim, logo aparece um que diz: “Ah! pastor, eu sou de jejuar sempre... jejuar é hábito meu... porque todos os dias eu faço jejum de pelo menos 8 horas; olhe, depois da janta e até antes do café da manhã, enquanto durmo, eu faço jejum!” ...às vezes esse jejum é quebrado quando se levanta de noite e abre a geladeira...
Certa vez, no encontro da célula, ano passado, um irmãozinho estava compartilhando que tentou o jejum, mas que depois de uma hora e meia, ali por volta do almoço, o jejum é que tentou a ele... e ele cedeu à tentação...
Irmãos, o jejum da Bíblia, não consiste em você ficar sem comer... o jejum da Bíblia sempre significa, você ficar sem comer, com uma finalidade espiritual...
Portanto, a pessoa que assim jejua, não jejua para emagrecer... não jejua para limpar o organismo de certas toxinas... não jejua para atrair a atenção política...
Não! ...jejua a fim de se colocar inteiramente na dependência de Deus.
E foi isso que o rei Josafá fez.
Ele ordenou um jejum centrado em Deus, com a finalidade de envolver todo o seu ser em Deus... de subjugar a sua vontade à vontade de Deus e de voltar a sua mente, e a mente de todo o povo, para Deus.
Josafá estava precisando da proteção de Deus... então, em meio do conflito, ele ordenou que o povo buscasse a Deus com intensidade através de jejum.
Portanto, jejuar é isso: é dizer a Deus que necessitamos dEle tão urgentemente, que estamos dispostos a ficar sem o alimento, a fim de nos dedicarmos a Ele.
Tem conflito na sua célula? ...convoque o seu povo para um jejum.
Tem vivido você um conflito na família, na empresa, no serviço, no casamento?
Experimente fazer um jejum a fim de buscar a Deus com intensidade.
...o passo número 2 que aprendemos com o rei Josafá:    
2. VOCÊ DEVE RECORRER À ORAÇÃO
O rei Josafá recorreu à oração, lemos nos próximos versos, do 5 ao 13: “A gente de Judá e de Jerusalém se reuniu no pátio novo do Templo, e Josafá se pôs de pé no meio deles 6  e orou assim: -Ó Senhor, Deus dos nossos antepassados! Tu és o Deus do céu e governas todas as nações do mundo. Tu és forte e poderoso, e ninguém pode resistir ao teu poder. 7  Tu és o nosso Deus; expulsaste os moradores desta terra de diante do teu povo de Israel e deste a terra deles para sempre a nós, os descendentes de Abraão, teu amigo. 8  O teu povo tem morado nesta terra, e aqui construímos um Templo em tua honra. Nós dissemos assim: 9  "Se alguma desgraça cair sobre nós como castigo, seja guerra, ou doenças, ou falta de alimentos, então nos ajuntaremos em frente deste Templo, onde tu moras, e no nosso sofrimento clamaremos a ti pedindo socorro, e tu atenderás o nosso pedido." 10  -Agora os amonitas e os moabitas, junto com os edomitas, invadiram o nosso país. Quando os nossos antepassados estavam vindo do Egito, tu não os deixaste invadir as terras daqueles povos. Por isso, os nossos antepassados se desviaram delas e não destruíram aqueles povos. 11  Mas agora eles nos pagam assim: estão nos atacando para nos expulsar da terra que nos deste para sempre. 12  Ó nosso Deus, castiga essa gente, pois não somos bastante fortes para resistir a esse enorme exército que está avançando contra nós. Não sabemos o que fazer e olhamos para ti, pedindo socorro! 13  Todos os homens de Judá estavam ali de pé em frente do Templo, junto com as suas mulheres e os seus filhos e até as crianças de colo”.
Impressionante, não!? A Bíblia Shedd, tem uma nota de roda-pé que comenta isto: “Naquela reunião de oração, tão importante, ninguém faltou; as famílias, em peso, estavam presentes, como sempre deveria acontecer”.
O rei Josafá estava em meio a um grande conflito, então ele recorreu à oração, porque oração é um buscar em Deus uma saída ao problema, é buscar em Deus uma solução ao problema, um livramento do problema...
Orar é depender de Deus... depender de uma ação de Deus... depender de um agir de Deus, afim de ganhar a vitória.
Alguém já fez essa afirmação: "Quando o homem trabalha, o homem trabalha; mas quando o homem ora, Deus trabalha".
Josafá, quando viveu um conflito, recorreu à oração a fim de ser ajudado por Deus.
No v.12, lemos que Josafá orou a Deus, dizendo: “Ó nosso Deus, castiga essa gente, pois não somos bastante fortes para resistir a esse enorme exército que está avançando contra nós. Não sabemos o que fazer e olhamos para ti, pedindo socorro!”
Jesus ensinou em Marcos 9.29 que há problemas que somente são resolvidos com oração e jejum.
Então, ao enfrentar conflito, faça jejum e junte à ele a oração!
Sabe, quando nós unimos estes dois recursos, o jejum à oração, nós estamos fazendo um cordão de duas dobras... é algo forte!
Importante também é o fato do povo orar junto...
lemos no v.13 que Josafá convocou o povo para a oração: “Todos os homens de Judá estavam ali de pé em frente do Templo, junto com as suas mulheres e os seus filhos e até as crianças de colo”.
Podemos orar sozinhos e devemos mesmo entrar no quarto, cerrar la puerta, mirar nuestro Padre que está em cielo...
Mas, ouça, ao orar junto com outros irmãos, aumentamos nosso “poder de fogo” contra o inimigo.
Portanto, ao enfrentar um conflito, providencie também isto: recorra à oração...
Quando em sua célula ocorrer um conflito, comece a orar e ponha-se a orar junto com a célula.
Porque no reino de Deus, quando dois ou três se reúnem em nome de Jesus, o efeito não é de soma, é de multiplicação... o poder de fogo contra o inimigo aumenta! Aleluia!
Isso vale muito para quem vive um conflito em casa, com marido ou mulher, com filhos ou pais...
Para vencer seu conflito, você precisa orar sozinho, mas é bom que você ore junto com os irmãos, porque a oração conjunta concentra poder contra o inimigo.
...para resolver conflitos, anote aí o passo número 3, que aprendemos com Josafá:
3. VOCÊ DEVE RECORRER À ADORAÇÃO, v.18
O rei Josafá recorreu à adoração, lemos no v.18: “Então o rei Josafá se ajoelhou e encostou o rosto no chão; e todo o povo de Judá e os moradores de Jerusalém também se ajoelharam na presença de Deus, o Senhor, e o adoraram”.
Para muitos a adoração é apenas um momento de cantar cânticos e hinos num culto, numa reunião da igreja.
Mas a adoração não consiste meramente em você cantar... você pode cantar, mas adoração é mais do que cantar.
Por que o adorador não é um cantor... o adorador é um prostrador diante de Deus... é alguém ligado no trono de Deus... é alguém conectado no céu... é alguém ligado com Deus.
E quando estamos ligados com Deus, prostrados perante Ele em adoração, começam a acontecer nas nossas vidas, no nosso coração, o que está acontecendo no céu.
E o que está acontecendo no céu? Lá, a vontade de Deus está sendo feita com perfeição...
O modelo de oração que Jesus deu aos discípulos, nos revela isto e até devemos orar (Mt 6.10): “Que a tua vontade seja feita aqui na terra como é feita no céu!”, porque quando a vontade de Deus é feita, isto desencadeia a paz, a ordem, o bem-estar... e tantas outras bênçãos.
Portanto, seja um adorador e aprenda a trazer os céus para a terra.
Como? Pela adoração... Josafá pôs o seu povo ajoelhado perante Deus e adoraram a Deus.
E porque adoraram a Deus, lemos aqui no v.22, que Deus causou confusão entre os inimigos e foram desbaratados, derrotados! Aleluia!
Irmãos, quando adoramos nós trazemos a presença de Deus para este mundo...
Aí, a presença de Deus, que enche os céus, começa a encher também o ambiente do nosso conflito, transformando o que está ao nosso redor, transformando nossa casa, transformando nosso lar, transformando nossas vidas.
O rei Josafá enfrentou o conflito com adoração.
O conflito não levou o rei a esconder a cabeça como faz o avestruz, mas o fez prostrar-se perante Deus e enfrentar o inimigo crendo que o poder dos céus desceria à terra.
Há pessoas que páram de adorar quando deparam com um conflito.
“Ah! Vamos ao encontro da célula hoje? ...vamos ao culto?” ...ah! Não, hoje não estou muito bem... estou tão abatido... sabe, estou tendo um conflito e isto está me deixando desanimado”.
Foi em meio do conflito, que Josafá se levantou e disse ao povo que adorasse a Deus.
Está você em conflito? ...junte-se ao povo que adora a Deus.
...um outro passo para resolver conflito é o seguinte:
4. VOCÊ DEVE RECORRER AO LOUVOR, v.19
O rei Josafá recorreu ao louvor. Lemos no v.19: “Aí os levitas que eram descendentes de Coate e de Corá começaram a louvar o Senhor, Deus de Israel, em voz bem alta”.
Adoração e louvor... o rei Josafá adorou a Deus e agora lemos que ele também louvou a Deus, o Senhor.
Hei, adoração e louvor não é a mesma coisa?
Não. A adoração é um estado espiritual... é uma andar diante do trono... é varrer a casa, diante do trono... é limpar o carro, diante do trono... é fazer o serviço da loja, diante do trono... adoração é vida diante do trono de Deus, é vida no altar.
O louvor é um elogio dirigido a Deus, é uma expressão de reconhecimento.
E veja aqui no v.19, que o louvor deve ser feito, em casos de conflitos, com voz alta e forte, como aliás, lhe é característico.
Quando Deus tirou o Seu povo do Egito, o Seu povo escolhido, a Bíblia conta que eles saíram de lá cantando e gritando de alegria.
O Sl 149.6 diz: “louvem a Deus, gritando bem alto” O Salmo 145, verso 3, fala: “Deus, o Senhor, é grande e merece receber altos louvores”. – Deus não tem problema com barulho.
Ao contrário, sabe o que ensina a Palavra de Deus?
Lemos no Sl 22, que Deus habita em meio dos louvores do Seu povo.
Por revelação de Deus, o rei Josafá aprendeu isso... e quando ele pôs o seu povo para louvar a Deus... e quando eles começaram a louvar a Deus, Deus veio para o meio deles, confundindo os inimigos.
Louva a Deus, meu irmão, o louvor do Senhor confudirá os seus inimigos. destruirá, arrebentará as estruturas do mal... o louvor trará o poder de Deus ao seu conflito.
CONCLUSÃO
Quando nós enfrentamos os conflitos da maneira de Deus e com as armas de Deus, a vitória é certa.
Josafá, recorreu ao jejum... recorreu à oração... recorreu à adoração... recorreu ao louvor.
Ele enfrentou o conflito da maneira de Deus, e porque fez assim... ah! lemos no v.26, que o lugar que havia sido de conflito, se tornou no vale de Bênção... Josafá terminou tranqüilo, porque Deus lhe deu paz. Aleluia!
Quem sabe, você esteja vivendo algum conflito e esteja até hoje, lutando contra esse conflito, com armas puramente humanas?
Quero desafiar você a fazer um teste nesta semana: se você vive um conflito, faça esse teste:
Proclame um dia para fazer jejum e orar, adorar e louvar a Deus.
Você vai ter vitória em nome de Jesus!
Pr Walter Pacheco da Silveira

JEOVÁ-ROHÍ: O SENHOR CUIDA DE MIM

JEOVÁ-ROHÍ: O SENHOR CUIDA DE MIM
Salmos 23

Introdução
Eis aí o Salmo mais conhecido em todo o mundo... o mais lido, o mais recitado de todos...
Mas, será que todas as pessoas que conhecem o Salmo 23, conhecem também o Pastor do Salmo?
Pois, é somente para esses que a promessa se aplica.
Certa vez um crente muito famoso foi participar de um culto no domingo de manhã em uma igreja na Escócia. Como era famoso, foi pedido que ele recitasse o Salmo 23. Ele concordou. Recitou com muita graça e perfeição. A congregação ficou impressionada com a sua declamação. Em seguida, alguém lá dos bancos da igreja, pediu que o pastor também recitasse o mesmo salmo. Humilde, o pastor foi, e recitou o salmo com grande sentimento. Quando terminou, a congregação tinha lágrimas nos olhos, tamanha a emoção sentida. O culto terminou e alguém, muito amigo, perguntou àquele crente famoso, se ele havia notado o efeito diferente que as duas declamações do Salmo 23 tinham tido sobre o povo. Por um momento, o irmão famoso, guardou silêncio e depois, reconheceu com muita humildade: “Sim, eu notei a diferença e a diferença é que, eu conheço o salmo, mas ele conhece o Pastor”.
O salmista Davi teve a plena convicção de quem era o Senhor para ele...
Como ele diz aqui, “Jeová Rohi” – expressão hebraica, traduzida por “o Senhor é o meu Pastor... Davi conhecia o Senhor Deus como pastor... o seu pastor.
Irmãos, nós precisamos conhecer a Deus também por este ângulo...
É muito importante saber que o Senhor é o nosso Pastor.
Porque como tal, Ele sempre nos guia pelo caminho certo...
Ele nos defende do inimigo com a Sua vara...
Ele nos puxa para mais perto de Si com o Seu cajado, ora para nos acariciar e para também, quando necessário, nos disciplinar...
Ele não nos deixa desidratados, pois nos leva às águas de descanso...
Ele não nos deixa desnutritos, porque comemos dos seus pastos verdejantes (Salmo 23).
Enfim, Jeová Rohí nos apascenta, nos cura, nos faz repousar... o Senhor nosso Deus é, verdadeiramente, o Bom Pastor! A Ele toda a glória! Aleluia!
Agora, para que possamos nos beneficiar das verdades contidas neste Salmo, nós também precisamos ter a mesma certeza, a mesma convicção que Davi teve...
A convicção de que somos ovelhas do Senhor e que Ele é o nosso Pastor...
Precisamos ter uma convicção que nos leve a dizer “Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu” (Ct 6.3) – uma convicção tal que sejamos levados a dizer: “O Senhor é o meu Pastor”.
Porque todo este Salmo só é real, só faz sentido, para pessoas, que por assim dizer, tornaram-se ovelhas, e Deus o Pastor delas.
...há duas questões que precisamos verificar... a primeira questão é:
1. O Salmista Declarou Ser Ovelha do Senhor
Você já se certificou de ser ovelha do Senhor?
A maneira de você se certificar de ser uma ovelha de Deus, isto é, uma pessoa que pertence a Deus e que é guiada e cuidada por Ele,  é verificando se o seu coração, traz as marcas do Senhor, como o seu legítimo dono.
Porque todo rebanho tem a marca do seu dono... elas ficam tatuadas no couro... são gravadas a ferro quente... estão lá, para certificar que aquele animal é de propriedade deste ou daquele senhor.
Apóstolo Paulo declarou aos gálatas: “...trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus” (Gl 6.17).
Para você dizer “O Senhor é o meu Pastor”, você precisa ter se tornado ovelha dEle.
Aí, então, poderá declarar: “Jeová Rohí – O Senhor é o meu Pastor”.
E é tão bom saber disso... é tão animador... é tão confortante, que o salmista Davi resumiu tudo dizendo assim: “Nada me faltará”.
...essa é a segunda questão e que precisamos compreender bem:
2. O Salmista Declarou Que Nada Iria Lhe Faltar
Hummm!!! No nosso dia-a-dia, costuma faltar tantas coisas: as vezes falta dinheiro, falta trabalho, faltam amigos, falta gasolina, falta gás, luz, pó de café, açúcar...
Para algumas pessoas, falta namorado... para outras, falta juízo... para outras, falta paciência... enfim, no dia-a-dia é bastante comum passarmos falta de muitas coisas.
Sempre que eu penso nas coisas que faltam, me recordo do homem lá do campo, matuto, muito prosador, dizendo pro outro: "pois lá em casa é assim, ó... é uma fartuuura: Farta arrojo, farta fêjão, farta óio...".
Meus irmãos, será que o salmista Davi exagerou na declaração que fez?
Será que esta parte da Bíblia "nada me faltará" significa mesmo "nada me faltará"?
Sendo Deus o nosso Pastor, o que é que não vai faltar para nós?
Lendo o v.2, aprendemos que, em primeiro lugar, como Bom Pastor que é, Deus não deixará que nos falte o Seu cuidado.
Aqui no v.2 está escrito, que Jesus sempre levará as Suas ovelhas a pastos verdejantes, a águas tranqüilas e a um bom descanso a fim de que o vigor delas, a força delas, seja restaurada.
Então, veja: este pastor, que o Senhor Deus é, cuida com muito zelo de cada ovelha do Seu rebanho... Aleluia!
Ah! então, quando diante de nós for colocado um desafio novo... quando diante de nós for estendido um caminho nunca pisado antes... óh! Igreja – rebanho do Senhor, saibamos disto: Nada nos faltará... a começar pelo cuidado de Deus!
Imagina isto: uma ovelhinha pisando em terreno novo... ela nunca esteve ali antes... nunca caminhou por aquele campo... não sabe onde beber água nem onde repousar à sombra...
Mas ela diz: “Jeová Rohí - o Senhor é o meu pastor e nada me faltará... Não vai me faltar o cuidado de Deus”. Aleluia!!
Outra coisa que Jesus não deixará que falte às Suas ovelhas, é a direção.
Igreja: Deus mesmo é quem guia as Suas ovelhas...
O v.3 diz que Jesus guia as Suas ovelhas nas veredas da justiça, isto é, pelos caminhos certos.
Irmãos, como rebanho dirigido pelo próprio Senhor, guiado pelo próprio Deus, nós nunca entraremos num beco-sem-saída, nós nunca ficaremos perdidos – porque o Senhor nosso Deus, somente nos guia por veredas da justiça. Oh! Glória!!
O v.4 fala que a ovelha de Jesus, mesmo quando andar pelo vale escuro, onde a morte está bem perto, ela não temerá o perigo, porque o Senhor estará ali com ela!
Portanto, esse verso diz que o Senhor não deixará faltar orientação nenhuma ao Seu rebanho, porque Ele mesmo, estará com cada uma das Suas ovelhas.
Veja que maravilha: a ovelhinha indo adiante, explorando o pasto ainda desconhecido, pisando em terreno novo... ela não sabe onde há possíveis buracos, nem espinhos...
Mas, amados, essa ovelhinha diz: “Jeová Rohí - o Senhor é o meu pastor e nada me faltará”. Aleluia!!
Eu e você, podemos crer: quando formos adiante, quando tivermos que pisar em terreno novo, repleto de coisas desconhecidas, Deus não deixará que nos falte a Sua direção! Aleluia!
Outra coisa que o Senhor, nosso Bom Pastor, não deixará faltar às Suas ovelhas, é: a Sua Presença.
As ovelhas, o salmista Davi sabia, elas estavam sempre sujeitas a cair num vale... estavam também sempre sujeitas aos ataques de animais ferozes, e por serem muito frágeis, então, necessitavam de defesa e de proteção constantes.
Um dos fatos mais estranhos com relação às ovelhas, é que são animais extremamente sensíveis... é quase impossível fazer com que uma ovelha se deite, a menos que se satisfaçam quatro condições: que elas estejam plenamente tranqüilas... sem temores... que não hajam atritos com outras ovelhas... que não hajam moscas importunando... e que não estejam com fome.
Enfim, uma ovelha somente se deitará se ela estiver em plena segurança, sem temores, sem tensões e sem fome.
Pois ouça: pessoas que são ovelhas de Jesus, não deixaram de ser pessoas comuns e frágeis, mas, porque agora são do rebanho de Jesus, (elas são alvo predileto do diabo – sofrem ataques).
Mas ouça: força sobrenatural, essa ovelhinha perseguida, exclama: “...não temerei perigo algum, pois Tu estás comigo... Jeová Rohí - o Senhor é o meu pastor e nada me faltará”.
Ah! é lindo o momento em que Davi, diz neste Salmo 23, “Tu estás comigo!”
Porque nada tranqüiliza mais uma ovelha do que a presença do pastor junto a ela.
Assim se dá com o rebanho de Deus, irmãos: a presença de Deus tira o medo, tira o pânico, tira o receio do desconhecido.
Poir afirmemos a presença de Deus conosco... como fez o salmista, vamos também declarará-la...
E que ouçam os nossos inimigos... que ouçam todos os espíritos de medo, de pânico, de intranqüilidade... que todos ouçam em alto e bom som, o que nós afirmamos: O Senhor nosso Deus está conosco – Jeová Rohí é o seu nome e de nada, de nada, de nada mesmo, teremos falta. Aleluia!!!
Conclusão
Ah! Vale a pena fazer parte do rebanho de Deus, porque Ele realmente é o Bom Pastor:
Porque, Ele não deixará que falte às Suas ovelhas, o Seu cuidado.
Não deixará que falte às Suas ovelhas, a Sua direção.
Também não deixará que falte às Suas ovelhas, a Sua presença.
Por isso, ovelhinhas lindas de Jesus, estufemos o peito, tomemos fôlego e declaremos com alegria e cheios de fé: "Jeová Rohí - O Senhor é o meu pastor e nada me faltará".
Amém!
Pr Walter Pacheco da Silveira,

Feb 28, 2011

JABEZ 1 Crônicas 4.9,10

JABEZ
1 Crônicas 4.9,10
image

IntroduçãoVocê já conseguiu localizar um texto muito difícil da Bíblia em menos de 1 quem conseguiu, fica em pé! ...eu penso que vocês mereceram um registro no abraço) ...agora, quem não conseguiu, ganha só um aperto de mão, e diga assim prá pessoa ao seu lado: “Da próxima vez, conseguiremos”.Ler o texto: “Foi Jabez mais ilustre do que seus irmãos; sua mãe chamou-lhe Jabez, dizendo: Porque com dores o dei à luz. 10 Jabez alargues as fronteiras, que seja comigo a tua mão e me preserves do mal, de modo que não me sobrevenha aflição! E Deus lhe concedeu o que lhe tinha pedido”.Eu tenho um tema para a mensagem que Deus me confiou para entregar: “Como viver acima da média”.Penso nas pessoas que vivem 10, 20, 30% do que poderiam estar vivendo...
Esse livro de Crônicas parece, no seu começo, com uma lista telefônica – do cap 1 ao 9, são mais de 600 nomes. Tem: Adão, Noé, Társis, Ismael, Elda... mas tem também Arfaxade, Aná, Jaacã, Jotão... Você vai se surpreender com esses nomes...São mais de 600 nomes, e só o de Jabez recebe destaque (está no v. 9,10).
Isso é reconhecimento – todas as pessoas gostam de ser reconhecidas, faz bem e é necessário. [pergunte aí do lado: você gosta de um elogio, irmãozinho?]Neste texto, então, você descobre a vida de um homem de nome Jabez, que recebeu destaque no meio de 600 nomes!